#relacoespublicas #rp #rpmoda #pr #publicrelations » 2011 » Janeiro » 26 » Chanel Couture 2011
13:06
Chanel Couture 2011

Haja luz. Nenhum designer é tão preparado para esse tipo de
decreto celeste como Karl Lagerfeld. Ele atendeu ao chamado com uma coleção da
Chanel que foi positivamente luminosa em sua delicadeza e brilho. Vestidos que
pareciam fios de teia ("orvalho da manhã em teias de aranha"). Detalhe:
dez milhões de contas foram usadas em todas e o resultado foi, literalmente, um
pano de luz.



Mas a luz não é apenas a iluminação, é também uma falta de peso. Foi uma graça,
o seu preciso de balé para os deslocamentos, os tops, coletes equipados e
chiffons flutuante, todas elas construídas em leggings de paetês. E todos os
modelos caminharam em uma sapatilha. "Apenas com a ponta do sapato",
Lagerfeld foi rápido em apontar. Ele estava preso ao tornozelo por tiras
transparentes e mudou completamente a atitude do show. "Eu estava cansado
de todas aquelas torres Eiffel, cansado de todas aquelas cores violentas",
disse Lagerfeld.



Ele teceu dazzlingly seu antídoto para a ortodoxia da moda atual para a tela da
casa. Artista Marie Laurencin foi sua inspiração. O terno bouclé rosa, o
vestido suspenso da cintura, o açúcar, tweeds grosseiro eram frágeis, onde a
própria Chanel era de aço.



Lagerfeld reconheceu a dicotomia, quando desfilou Stella Tennant (sua musa) como
a Rainha Negra em um vestido de paetês de divisas, mas seu coração estava
claramente com a Rainha Branca Freja, cujo brasão-vestido parecia que tinha
sido costurada a partir de cristais de gelo. Então, no final do show, ele se
concentrou com suas modelos nos degraus de um simulacro da icónico salão Rue
Cambon. Ele fez o mundo Chanel próprio.

Let there be light. No designer is so ready for this sort of
heavenly decree as Karl Lagerfeld. He answered the call with a collection of
Chanel that was positively luminous in its delicacy and brilliance. Dresses that seemed to warp
("morning dew on spider webs"). Details: ten million accounts were
used in all and the result was, literally, a light cloth.



But the light is not only the lighting, is also a lack of weight. It was a
joke, its precise ballet for the displacements, tops, jackets and equipped
floating chiffons, all of them built in sequined leggings. And all the models
walked on a sneaker. "Just the tip of the shoe," Lagerfeld was quick
to point out. He was tied to the ankle straps for transparent and completely
changed the attitude of the show. "I was tired of all those Eiffel Towers,
tired of their violent colors," said Lagerfeld.



He wove his dazzlingly antidote to the orthodoxy of the current fashion for the
home screen. Artist Marie Laurencin was his inspiration. The suit bouclé pink
dress drop waist, sugar, coarse tweeds were fragile, where Chanel herself was
steel.



Lagerfeld has recognized the dichotomy, when paraded Stella Tennant (his muse)
as the Black Queen in a sequined dress, foreign exchange, but his heart was
clearly with the White Queen Freja, whose coat-dress looked like it had been
stitched from crystals ice. Then at the end of the show, he focused with his models
on the steps of a simulation of the iconic lounge Rue Cambon. He made the world
very Chanel.

by Angel News

Photo: GoRunway.com

Categoria: #Luxo | Visualizações: 737 | Adicionado por : netoangel | Tags: KARL LAGERFELD, Chanel | Ranking: 0.0/0
Total de comentários: 0
ComForm">
avatar
tweet wall for events

Relações Públicas Internacionais em Moda e Marketing de Guerrilha

https://mts0.google.com/vt/data=dNIm6hApM8tCvyLTqINlPVCpSbU-sd8deZHrlf-oLjKXL-nOhDAOwlOQj7e4Syd7GeJdOW6ZhDVVrZ_Du9OEqs84cPRRXw2TmL_luQc


Neto Angel - Relações Públicas I Digital Fashion Specialist 
tel: +55(11) 98459.5896 São Paulo - Capital
//angelnews.at.ua/relacoes_publicas_digitais.pdf
SEO-PING
Agência Digital de Relações Públicas & Marketing Digitais by Angel News