#relacoespublicas #rp #rpmoda #pr #publicrelations » Arquivos » Biblioteca Angel News

ANCI apresenta a verdade fora dos grandes saltos
13/01/13, 02:18
CLETO SAGRIPANTI, PRESIDENTE DA ANCI: "O consumo estagnado e a Itália e o Mercado Europeu penalizam o setor, que está se preparando para meses difíceis pela frente”.

No ano passado, a palavra de ordem para os fabricantes de calçados foi "consolidar o crescimento", porque nós estávamos falando de crescimento (e um forte crescimento que levou ao emprego) e porque se considerou que, infelizmente, esse crescimento foi encoberto pela sombra da incerteza. Hoje a palavra de ordem mudou: buscar um novo impulso. Novo impulso não só significa resolver os aspectos que a economia tornou-se negativa, mas também lidar com as questões estruturais, como a reforma tributária italiana e uma nova visão da Europa que estão prestes a lançar nesta década.

Em resumo, a situação descrita na pesquisa do departamento de pesquisa da ANCI, a Associação Nacional da Indústria da Itália de Calçados - que, como todos os anos, promovem uma pesquisa entre seus membros - confirmou as preocupações já surgidas anteriormente.
Os primeiros nove meses de 2012 foram caracterizados por uma queda acentuada no consumo doméstico, já deprimida pela estagnação dos últimos quatro anos e, certamente, um fato mais preocupante, por uma desaceleração nas vendas externas, especialmente na União Européia. Portanto, se até agora as exportações tinham apoiado volume de negócios da empresa, a cada mês esta perdeu força, embora ainda em crescimento (+3,9% nos dados disponíveis até o momento, referindo-se aos primeiros 8 meses).

"Os fabricantes de sapatos - explica Cleto Sagripanti, ANCI Presidente - são confrontados, mais uma vez, com uma fase complexa, em que a deterioração das perspectivas econômicas internacionais juntamente com a crise de consumo e clima de incerteza, também a política na Itália, está a abrandar o emprego e investimentos. Produção que voltou a crescer após 2009 começou a diminuir novamente. O aspecto mais preocupante é a profundidade desta crise e sua difusão. 61% dos entrevistados experimentaram uma diminuição e em 46% dos casos tem excedido 5%. Esta é uma situação generalizada que tem pouco a ver com a competitividade empresarial. Se qualquer coisa, como tem vindo a dizer a algum tempo, é uma crise de competitividade do sistema”.

"Ao contrário do ano passado - continua o presidente ANCI - estamos diante de uma situação negativa geral, caracterizada por um mercado externo que ainda é positivo e gratificante para as empresas italianas que conseguiram reinventar-se, mas que está claramente mostrando sinais de dificuldade. Nos primeiros oito meses de 2012, houve um aumento de 3,9% em valor, mas também de uma redução significativa nos volumes dos 7,7%”.


"Hoje, o mercado europeu está a sofrer, assim como o mercado doméstico - sublinha, Cleto Sagripanti - e isso acaba conotando negativamente toda a economia do setor. Mas nós gostaríamos de ir além ou simplesmente comentando as perspectivas econômicas do mercado: gostaríamos, nesta fase, com a força de uma pergunta. Que ideia de Europa que queremos seguir? Somos e permanecemos europeus convictos, mas não podemos imaginar uma Europa industrializada que não sabe e não quer defender a sua própria produção, que não sabe e não quer levar a cabo a idéia de rotulagem da origem dos produtos importados . Contando mais na Europa como um país fundador significa ser capaz de afetar a concepção da Europa nos próximos anos: nós não devemos comprometer a isto se queremos construir uma Europa que centenas de milhares de pequenas empresas industriais e seus trabalhadores podem se identificar com " .


CRESCIMENTO PARA CONSUMO, CONSUMO PARA O CRESCIMENTO

Se a demanda externa está em dificuldade crescente, pelo menos, não o de origem continental, ainda mais deprimido está à demanda doméstica, que não só mostra um resultado negativo, mas um resultado que vem depois de um ciclo de estagnação e contração que duraram quatro anos. Consumo de Calçados - de acordo com a Sita Painel de Consumidores Pesquisa de Moda - tem nos primeiros 9 meses de 2012 uma redução média de 3,8% em volume e 4,2% em termos de despesas. As deteriorações mais marcantes na demanda foram registradas nas "mulheres" (-5,0% tanto em quantidade como em valor, mas com picos de cerca de -10% para sapatos baixos) e "filhos-jovens" (-5,4% em despesas) segmentos que são historicamente os menos sensíveis às fases cíclicas. Consequentemente, no lado das importações, há uma tendência de queda de 13,1% em volume e 3,8% em valor (10,8% dos preços médios). A fraqueza do mercado interno tem provocado uma desaceleração nos ingressos: nos primeiros oito meses 225,5 milhões de pares foram importados, 34 milhões a menos do que em 2011.

"O fator de crescimento é agora o principal fator para qualquer política industrial e qualquer política econômica: não podemos mais deixar de crescer ou um longo período de consumo deprimido - sublinha o Presidente ANCI. Mas nem podemos encontrar maneiras fáceis para fora, o crescimento deve ser construído de vez em bases sólidas, na competitividade das empresas e da produtividade do trabalho. Ao mesmo tempo, deve entender-se que não apenas os orçamentos contam, mas também a sua distribuição. A inversão do ônus fiscal dos impostos diretos para os impostos indiretos é uma questão a refletir seriamente sobre.

"Durante vários meses fomos um dos poucos setores Made-in-Itália em crescimento e geração de emprego, mesmo em uma situação econômica difícil - lembra Sagripanti. Hoje, no entanto, as empresas têm evidentes dificuldades em absorver, por si só, a queda significativa na produção. A prioridade absoluta é claramente para reduzir os impostos sobre as empresas, mas acima de tudo sobre o trabalho, tanto em termos de carga fiscal e os impostos de produção regionais (IRAP). Sabemos que isso não vai ser possível no futuro imediato, mas devemos trabalhar para este miragem, várias vezes mencionadas por políticos, finalmente, tornaram-se uma realidade. Por fim, quando questionados sobre as políticas fiscais que poderia melhor apoiar a indústria a superar as dificuldades da atual situação econômica, 74% dos entrevistados indicaram como prioridade a sua redução da carga fiscal”.

A pesquisa descreve uma situação econômica muito longe do positivo: o terceiro trimestre mostrou uma piora de todas as variáveis ​​do setor e este cenário será confirmado nos dados para a última parte do ano, como demonstrado pela falta de dinamismo nessa ordem. Após a recuperação, no período 2010/2011, os volumes de produção e de exportação novamente recuaram em 2012. O único indicador favorável vem do fortalecimento da balança comercial, graças à resistência das vendas externas em valor, mas, acima de tudo, para a desaceleração das importações.

As previsões para o primeiro semestre de 2013, de fato apareceu novamente pessimista: um número significativo de empresários entrevistados espera uma queda na produção (37%) e em encomendas domésticas (50%). Menos penalizando, mais uma vez, são as indicações dos mercados internacionais: embora 22% dos entrevistados esperam um declínio nas encomendas no primeiro semestre, 41% esperam estabilidade, com um bom 37% da amostra otimista em relação à exportação de encomendas.

 "A recessão da economia nacional passou- conclui Cleto Sagripanti – e a persistente fraqueza da economia mundial teria prejudicado o desempenho das vendas de calçados em muitos mercados-alvo tradicionais”. O percentual de empresas que se queixam de atrasos de pagamento e as dificuldades de liquidez de relatórios aumentaram. Este é mais um elemento de reflexão, também para os políticos. Existem hoje muitos empresários italianos que renunciam ao mercado interno devido à possibilidade de não serem pagos ou vendo mercadorias devolvidas com pretextos injustificados tornou-se muito elevada. Crescimento econômico e da moralidade também podem ser recuperados dessa forma”.
 ANCI, a Associação Nacional da Indústria da Itália de Calçados
Press/image ANCI – Associazione Nazionale Calzaturifici Italiani
Categoria: Biblioteca Angel News | Adicionado por : netoangel | Tags: negócios, importação, anci, exportação, Associação Nacional da Indústria da, feira, calçados, queda
Visualizações: 543 | Downloads: 0 | Ranking: 5.0/1
Total de comentários: 0
ComForm">
avatar
tweet wall for events

Relações Públicas Internacionais em Moda e Marketing de Guerrilha

https://mts0.google.com/vt/data=dNIm6hApM8tCvyLTqINlPVCpSbU-sd8deZHrlf-oLjKXL-nOhDAOwlOQj7e4Syd7GeJdOW6ZhDVVrZ_Du9OEqs84cPRRXw2TmL_luQc


Neto Angel - Relações Públicas I Digital Fashion Specialist 
tel: +55(11) 98459.5896 São Paulo - Capital
//angelnews.at.ua/relacoes_publicas_digitais.pdf
SEO-PING
Agência Digital de Relações Públicas & Marketing Digitais by Angel News